Nossas redes sociais:
sac@comapa.com.br (66) 3411 6500

Blog

publicado em 29 de março de 2021

Qual o tipo de revestimento ideal para sua obra?

Muitos são os detalhes que requerem atenção no planejamento para a realização de uma obra ou reforma. Na hora de escolher o piso, uma dúvida comum é: cerâmica ou porcelanato? Parece algo simples de resolver, porém, muitos fatores devem ser levados em consideração, não somente a estética. São diversos tipos, cores e tamanho. Na hora de fazer a escolha, é preciso pensar na área que será revestida. Por exemplo: é para ambiente externo ou interno, seca ou molhada, para pessoas com dificuldade de deslocamento?

São muitos detalhes, mas vamos te ajudar! Confira essas dicas e tire todas as suas dúvidas.

Conheça as diferenças entre cerâmica e porcelanato!

Para iniciar a diferenciação entre estes dois materiais, devemos começar pela fabricação. Enquanto a cerâmica é composta por 30% de pedra e 70% de argila, o porcelanato apresenta proporções diferenciadas: 30% de argila e 70% de pedras. Essa inversão de percentual na composição vai resultar em qualidades distintas.

O método de preparo também muda. A cerâmica tradicional passa por processos de prensagem ou de extrusão e é queimada a 1.150 graus celsius. Já o porcelanato é exposto a 1.200 graus celsius. Essa diferença de temperatura entre os materiais vai fazer com que o porcelanato tenha uma resistência maior do que a cerâmica.

Este é um dos motivos pelos quais as cerâmicas, que apresentam composição com mistura de argilas e substâncias químicas, se tornam uma opção mais econômica. Existem duas versões: esmaltadas e não esmaltadas.

O porcelanato, que possui maior durabilidade por ter materiais nobres em sua composição, como argilominerais, resulta em um acabamento diferenciado. Existem os tipos de porcelanato: esmaltado e técnico.

Quando se fala em acabamento, também há diferenças. Enquanto no assentamento da cerâmica só é permitido o uso da junta tradicional, o porcelanato é instalado usando espaçamento entre as peças menores.

De forma simplificada, pode-se dizer que o porcelanato é um piso mais denso, liso e homogêneo, utilizado em ambientes internos porque remete à sofisticação. Já a cerâmica é considerada mais rústica.

Tipos de porcelanato

O porcelanato pode ser encontrado em duas versões, adequadas para diferentes tipos de ambiente.

Esmaltado: como o próprio nome sugere, tem aplicação de esmalte na superfície. Dentro da categoria há os tipos rústico, acetinado, entre outros, que são mais resistentes a manchas.

Acetinado: é indicado para áreas internas ou externas que tenham cobertura, como varandas, por exemplo. Sua superfície é esmaltada, lisa e fosca. Também pode ser aplicado em revestimentos externos como lareiras ou churrasqueiras.

Rústico: sua superfície costuma ser mais áspera ou com relevos, o que evita escorregões.

Técnico: são mais resistentes que os esmaltados e não têm aplicação de esmalte. Entre os tipos do porcelanato técnico estão o polido e o natural.

Polido: recebe polimento mecânico, o que faz a peça ter brilho. É indicado para instalação em cômodos internos, piso ou parede.

Natural: tem a superfície polida sem brilho, aplicado especialmente em áreas externas  ou internas de comércios ou hotéis.

Tipos de cerâmica

A cerâmica existe em duas versões: esmaltadas e não esmaltadas.  As esmaltadas são mais resistentes a agentes químicos, assim como à umidade. Para identificar se uma cerâmica é esmaltada, é preciso identificar a sigla GL na embalagem, do termo em inglês glazed, que significa esmaltado. As cerâmicas não esmaltadas vem com a sigla UGL na caixa, de unglazed, em português não esmaltado.

Classificação de resistência dos pisos de cerâmica

Para entender melhor sobre a resistência do piso cerâmico é preciso estar atento à classificação do PEI, de Porcelain Enamel Institute, o instituto responsável pela regulamentação dos níveis de resistência à abrasão dos pisos esmaltados.

Ou seja, quanto maior o PEI, maior a resistência, o que indica que vai durar mais tempo mesmo diante da ação de sujeiras como areia, terra, pó, além da movimentação de pessoas sobre o revestimento.

Vamos às classificações:

PEI 1 – Classificação baixa: é um piso com superfície menos resistente, ou seja, indicado para espaços com pouca circulação de pessoas ou, então, revestimentos de paredes.

PEI 2 – Classificação média: ainda apresenta baixa resistência e é indicado para locais com pouca circulação de pessoas, como quartos, por exemplo.

PEI 3 – Classificação média/alta: por ter resistência intermediária, a aplicação é indicada para sala e cozinha. No entanto, ainda não é adequado para locais com circulação intensa de pessoas.

PEI 4 – Classificação alta: como são bastante resistentes podem ser usados em áreas com alto índice de tráfego de pessoas, como comércios e garagens.

PEI 5 – Classificação altíssima: é indicado para áreas de grande circulação, pois apresenta uma resistência bem grande ao desgaste

Quer saber mais sobre revestimentos, pisos e outros temas da construção e reforma? Visite o Blog da Comapa!

FONTE:   Quartzolit

(https://www.quartzolit.weber/blog/porcelanato/ceramica-ou-porcelanato-saiba-qual-o-tipo-de-revestimento-ideal-para-sua-obra)