Nossas redes sociais:
sac@comapa.com.br (66) 3411 6500

Blog

publicado em 6 de junho de 2019

10 passos para ter no planejamento da Obra

Existem alguns passos a se seguir no planejamento da obra que são essenciais para garantir um bom desempenho, do início ao fim. Considerando que a falta de planejamento possa estar diretamente relacionada aos custos elevados de uma obra, colocar tudo na ponta do lápis é crucial para ter bons resultados.

1-Quanto você quer investir no terreno?

Primeiramente, pense em quanto você pretende investir no seu terreno. Somente assim poderá pesquisar as melhores opções do mercado. Mas, cuidado com o valor que você pretende estipular! Afinal, você precisará de subsídios para todo o processo de construção da sua obra. E assim, não poderá investir grandes fundos no terreno, e deixar para ter que “contar as moedas” antes da finalização. Portanto, estabeleça primeiramente uma divisão interessante dos seus fundos, entre o processo de contratação dos profissionais, a compra do terreno, bem como a compra dos materiais. Assim, você terá uma visão mais ampla de quanto poderá investir no seu terreno.

2-Escolha do terreno ideal

Com o valor preestabelecido, é necessário que você saia em busca do terreno ideal para você. Ele não pode fugir do seu orçamento estipulado anteriormente, mas precisa atender a alguns requisitos muito importantes. São eles:

  • Segurança do local: Converse com vizinhos, pesquise notícias sobre o bairro, visite por alguns dias, em horários diferentes, o terreno em questão. Assim você terá uma visão geral de como funciona a segurança no local. Se há, ou não, casos recorrentes de assalto, bem como outros tipos de crimes que possam afetar a sua qualidade de vida.
  • Localização geográfica: A localização vai além de saber se tem ou não um mercado próximo ao terreno. Mas sim, ela está atrelada a fatores que envolvem a segurança do seu patrimônio. Portanto, não deixe de verificar se o local apresenta predisposição para enchentes, por exemplo.
  • A localização em si: Por último, ao estabelecer que a sua casa estará segura e a salvo de enxurradas, é preciso pensar na localização em si. O terreno é próximo do seu trabalho? Ou se não, apresenta transportes eficientes para levar você até o seu trabalho? E os mercados, farmácias e escolas, são próximos? Lembre-se das suas necessidades do dia a dia, antes de escolher o terreno ideal.

3-Escolhendo o melhor arquiteto

Com o terreno escolhido, é hora de contratar o arquiteto. Para isso, fuja do famoso “baratíssimo”, e sempre busque recomendações de conhecidos sobre profissionais. É muito importante que o profissional seja qualificado. Cuidado com a sua escolha!

4-Elaboração do projeto

Você encontrou aquele profissional dos sonhos, que escuta todos os seus desejos e está disposto a criar o projeto incrível para você? Então, é hora de sentar e conversar sobre as possibilidades.

Fale sobre todas as suas reais necessidades. Você precisa de um home office pequeno? Ou necessita de algo maior? Você precisa de uma planta de casa com varanda? Ou não necessariamente?

Eleja os cômodos mais importantes para o seu dia a dia, quantos quartos, quantos banheiros e garagem para quantos carros, que tipo de carro. E discuta com o arquiteto a melhor forma de elaborar o projeto. Assim, você criará algo realmente subjetivo, e que possa de fato lhe trazer conforto e praticidade.

5-Aprovação da prefeitura da sua cidade

Com o projeto elaborado, e tudo dentro do esperado, é o momento de buscar a aprovação na prefeitura. Para isso, essencialmente você precisará levar até a prefeitura da sua cidade, os seguintes documentos:

  • O projeto arquitetônico, especificando: localização; plantas; planta da cobertura; planta das fachadas e 2 cortes.
  • O projeto hidrossanitário;
  • O memorial descritivo;
  • O registro de responsabilidade técnica (o conhecido RRT);
  • A planilha de áreas (para casos onde ocorrerá construção em condomínios).

Além destes materiais, é necessário que o proprietário leve consigo alguns documentos pessoais e da obra, que são importantes. São eles: CPF e RG, cópia da capa do IPTU, a cópia do contrato de compra e venda (ou da escritura), comprovante de que pagou a taxa de solicitação do alvará.

De maneira geral, estes são os documentos solicitados pelas prefeituras para a concessão do Alvará de Construção. Porém, alguns pedidos específicos podem variar. É muito importante que você atenda a todos os requisitos, a fim de obter a licença para dar continuidade a sua obra.

6-Definição do orçamento

Você já tem a licença e está com o terreno esperando o início das obras? Ótimo! Agora você precisará definir o orçamento para a mão de obra e para os materiais. Lembra que você separou um valor para o terreno, de modo que equilibrasse com os demais investimentos posteriores? Pois é! Agora chegou o momento.

Faça uma pesquisa de mercado, procure recomendações (às vezes o próprio arquiteto poderá lhe apresentar possibilidades). E assim, faça uma entrevista com os profissionais escolhidos e peça referências de serviços anteriores e se possível vistar esses locais, antes de fechar contrato com qualquer um deles.

7-A pesquisa para garantir economia

Você precisará fazer uma pesquisa dos materiais consistentes, considerando pelo menos o preço de três estabelecimentos diferentes. Dessa maneira você poderá encontrar diferentes valores e, se possível, adquirir os materiais em mais de uma loja, garantindo economia.

Ou então, converse com os vendedores e tente encontrar algum tipo de benefício, como desconto, se por acaso você vier a adquirir todo o material no local.

Porém, do mesmo modo, fuja dos materiais muito baratos, e sem credibilidade. Lembre-se que este é um investimento em longo prazo, e os resultados virão após um longo período utilizando o ambiente construído. Portanto, equilibre os excessos de gastos, com os excessos de “barato”. Lembre-se “O barato sai caro” e em alguns casos sai muito caro.

8-Supervisão constante

Agora você terá que supervisionar a obra, de uma maneira constante e regular. É claro que não há a necessidade de ir até o local absolutamente todos os dias da semana. Você pode alternar, de acordo com a sua agenda, como uma ida a cada três dias, por exemplo. (Se possível vai todos os dias).

Mas esta supervisão é muito importante para garantir que a obra esteja realmente no rumo certo. Assim, você poderá detectar possíveis impasses e problemas logo no início, resolvendo-os da melhor maneira. Evitando dores de cabeça desnecessárias, que surgiriam por falta de organização.

Portanto, acrescente isso ao seu planejamento: um tempo a cada três dias para visualizar o desenvolvimento da obra.

9-Pensando nos acabamentos

Acompanhando o desenvolvimento da sua obra com frequência, você se deparou com o momento mais esperado: os acabamentos. Agora você precisará pensar nos detalhes que ira fazer parte do seu dia a dia por um longo período.

Portanto, crie ambientes confortáveis, e invista em materiais que lhe trarão praticidade para o dia a dia. Por exemplo, não invista em azulejos de baixa qualidade, com preços muito “atrativos”, pois o dia a dia para mantê-los limpos poderá ser um impasse desconfortável.

Pense sempre em longo prazo. Tanto para o investimento em materiais que irão promover o acabamento perfeito, quanto com relação à praticidade de manutenção dos mesmos. Além disso, cuidado com o exagero! Crie ambientes visualmente confortáveis, e tente evitar cores muito fortes que possam “pesar”. É possível que você se enjoe do acabamento rapidamente, caso crie ambientes muito pesados.

10-Finalização

Os 10 passos para ter no planejamento da obra chegaram ao fim. Aqui, você apenas dará aquela observada geral para ver se está tudo dentro dos conformes. É o momento de adquirir as lâmpadas, e cuidar de acabamentos como os varões de cortinas. Os vidros serão limpos e você já poderá viver novas possibilidades em sua nova casa. Com um planejamento eficiente, quando você chegar aqui certamente se deparará com o resultado dos sonhos.

Fonte: Tudo construção